Skip to main content
Internet Archive's 25th Anniversary Logo

Full text of "Companhia Industria e Viação de Pirapora. Escripturas de constituiçao da companhia. :estatutos. acta da primeira Assembléa Geral. Laudo de Avaliação dos Peritos. Directoria e Conselho Fiscal. Registro na Junta Commercial.(V. Diario official de 16 de maio de 1919)"

See other formats


COMPANHIA IHDUSTBlt 

E TIACÃO DE P1RAPOHA 

1 

ESCRIPTURAS DE CONSTITUIÇÃO DA COMPANHIA 

ESTATUTOS 

T' 

ACTA 0A PBIH9EIK.1 OKSAL 




I-AIBO D£ ATAL1AÇÂO JBOS PfiBITOS 



DIRECTORIA E CONSELHO FISCAL 



JRKAVllíWKO J HJÍSTTA COM !»B KiRCn AI, 



J® 





( V. Diário Official de 16 de Maio de 1919. ) 

RIO DE JANEIRO — AGOSTO DE 1920 



M 




COMPAEHIA INDUSTRIA 



E mçio DE PIRAPORA 

ESCRIPTURAS DE CONSTITUIÇÃO DA COMPANHIA 



ESTATUTOS 



ACTA MA PRIMEIRA ASSEMBLÉIA CKKAL 



LAIIJMO DK AVALIAÇÃO UOg PKBITOti 



DIRECTORIA E CONSELHO FISCAL 



RBUISTR» MA JÜSITA COMMKRCIAL 




( V. Diário Offfcial de 16 de Maio de 1919. ) 
RIO DE JANEIRO — ACOSTO DE 1920 





COMPANHIA INDUSTRIA E 
VIAÇÃO DE PIRAPORA 

Escriptura preliminar da constitui- 
ção da Companhia 

Escriptura preliminar de constituição da Com- 
panhia Industriq e Viação de Pirapora que fa- 
zem os senhores Otávio Barbosa Carneiro e ou- 
tros, na fórma abaixo : Saibam quantos esta virem 
que no anno do nascimento de Nosso Senhor 
Jesus Christo de mil novecentos e dezenove, aos 
trinta e um .dias do mez d< março, nesta cidade 
do Rio de janeiro, em meu cartorio e perante 
mim tabelião, em virtude de distribuição que hoje 
me foi feita, compareceram justos e contractados, 
como ortorgantes e respectivamente outorgados, 
Otávio Barboza Carneiro, brasileiro, maior, ca- 
sado, engenheiro, Trajano Saboia Viriato de 
Medeiros, brasileiro, maior, casádo, engenhei- 
ro. residente* nesta cidade, Asterio Lobo Lei- 
te Pereira, brasileiro, maior, casado, engenhei- 
ro, residente na cidade de Pirapora, Estado de 
Minas Geraes, neste acto representado por seu 
bastante procurador Paulo Galvão conforme po- 
deres da procuração em data de vinte e um de 
fevereiro de mil nocentos e dezenove, que fica 
registrada no livro competente deste cartorio, 
esses tres incorporadores e fundadores da Com 
panhia Industria e Viação de Pirapora, e mais os 
Srs. Amaro da Silveira &Comp., negociantes 



ÉM 



4 



* 

estabelecidos nesta cidade, representados neste 
acto por seu socio gerente Dr. Amaro da Sil- 
veira, L. O. de Souza Pinto & Comp., também ne- 
gociantes desta praça, representados pelo seu 
socio Luciano Oodofredo de Souza Pinto, Fer- 
nando Lobo Junior, funccionario publico, maior, 
solteiro, residente nesta cidade, Orion Lobo, 
maior, solteiro, residente em Pirapora, de passa- 
gem nesta cidade, Horacio Barbosa Carneiro, mai- 
or, solteiro, funccionario publico, residente nesta 
cidade, Thomaz de Araújo, casado, guarda-livros, 
residente nesta cidade, e Dr. José Saboia Viriato 
de Medeiros, maior, casado, advogado, residente 
nesta cidade, todos brasileiros, pessoas conhecidas 
de mim tabellião e das testemunhas adeante no- 
meadas e assignadas, que também conheço, do 
que dou fé. E pelos outorgantes e respectivamente 
outorgados Otávio Barboza ('arneiro, Trajano 
Saboia Viriato de Medeiros e Asterio- Lobo Leite 
Pereira, na pfesença das demais e das mesma 
testemunhas me foi dito que no intuito de explo- 
rar a industria e o commercio em Pirapora, nomea- 
damente o commercio de transportes fluviaes no 
alto São Francisco, desde Pirapora até Joazeiro, 
e affluentes, e differentes industrias a que se 
presta essa vasta- e rica região e ainda diversos 
contractos de que são titulares e concernentes 
aos serviços de producção e distribuição de luz 
e energia electrica, communicações telephonicas 
e abastecimento d’agua no municipio de Pirapora, 
tinham resolvido a constituição de uma sociedade 
anonyma para realisar esses diversos objectivos, 
tendo para isso obtido a cooperação dos demais 
subscriptores de acções supra mencionados, que 
com os declarantes assignaram os estatutos 
seguintes pelos quaes se ha de reger a dita 
sociedade : 



Estatatutos da Companhia Industria e Viação 
de Pírapora 

Artigo primeiro. Fica constituída sob a de- 
nominação de Companhia Industria e Viação de 
Pirapora uma sociedade anonyma, que se regerá 
pelos presentes estatutos e pela legislação em 
vigor nos casos omissos. 

Artigo segundo. A companhia tem por objec- 
to a exploração da industria e commercio em 
gerai e nomeadamente : 

Primeird v — a exploração dos serviçd^de 
transportes fluviaes do Rio São Francisco e seus 
affluentes no trecho comprehendido entre Pira- 
pora, Estado de Minas Geraes, e Joazeiro do Es- 
tado da Bahia, dando execução ao contracto para 
esse fim celebrado entre o Governo Federai e o 
engenheiro Otávio Barboza Carneiro em data 
de 31 de outubro de 1918; 

Segundo —a execução e exploração dos ser- 
viços de producção e distribuição de energia ele 
ctrica para illuminação e força motriz e communi- 
cações telephonicas no municipio de Pirapora, na 
conformidade do contracto de vinte sete de agosto 
de mil e novecentos e dezoito entre o municipio e 
o engenheiro Trajano Saboia Viriato de Medei- 
ros, comprehendendo a exploração da concessão 
federal feita á Camara Municipal de Pirapora pelo 
decreto numero 13.001 de vinte e seis de junho 
de mil e novecentos e dezoito, para o aproveita- 
mento de cachoeira de Pirapora e utilização das 
aguas do rio São Francisco ; 



Nome da 
Companhia. 



Fius da 
Companhia. 



— 6 — 



Séde da 
Companhia. 

1’rasn de 
duração da 
Companhia. 



Capital da> 
Companhia. 



Terceiro ; a execução e exploração do serviço 
de abastecimento de agua no mesmo município, 
na conformidade do contracto de vinte nove de 
agosto de mil novecentos e dezoito entre a Ca- 
mara Municipal de Pirapora e os engenheiros 
Asterio Lobo Leite Pereira e Otávio Barboza 
Carneiro ; 

Quarto: a exploração das industrias de 
beneficiamento de algodão e cereaes e de 
producção de oleos vegetaes de toda a especie, 
comprehendendo o contracto de vinte e sete de 
agosto de mil novecentos e dezoito para fundação 
de uzinas de beneficiamento de algodão e ceraes 
e producção de oleos, entre a Camara de Pira- 
pora e o engenheiro Trajano Saboia Viriato de 
Medeiros ; 

J Quinto: à exploração de todas as mais 
stria que convier annexar ás precedentes 
e forem julgadas de proveito para a sociedade 
que poderá emprehender todos os negocios e 
praticar todos os actos que forem convenientes 
para a plena realização de seus fins, inclusive 
crear depositos, usinas secundarias para pren- 
sagem de algodão, armazéns geraes, emittir war- 
rants, fazer operações de credUo, adeantando 
dinheiro com garantia das colheitas, constituir 
agencias, e acceitar consignações e representa- 
ções para os negocios de algodão, oleos,. e 
annexos. 

Artigo terceiro. A sede da Companhia é a 
cidade do Rio de Janeiro. 

'rtigo quarto. O prazo de duração da socie- 
dade é de trinta annos a contar da data da sua 
constituição definitiva. 

Artigo quinto. O capital da Companhia é 
de mil e duzentos contos de réis (Réis 1 .200:000$) 
dividido em seis mil acções nominativas ou ao 



7 — 



portador, de duzentos mil réis (200$00(5) cada 
uma, sendo quatrocentos e cincoenta contos de 
réis ( 450 : 000 $ 000 ) subscriptos em dinheiro, com 
vinte por cento já realizados setecentos e cincen- 
ta contos de réis ( 750 : 000 ^ 000 ) em bens, cousas 
e direitos adeante relacionados e especificados, 
com que entram para a Companhia os funda- 
dores Otávio Barboza Carneiro, Trajano Saboia 
Viriato de Medeiros e Asterio Lobo Leite Pereira 
pelos valores indicados para cada um a saber : 

a) contracto com o Governo Federal para 
a navegação no Rio São Francisco e seus affluen- 
tes, de Pirapora, no Estado de Minas Geraes a 
Joazeiro, no Estado da Bahia, trezentos contos 
de réis; 

b) contracto de producção e distribuição de 
força e luz electrica e execução do serviço tele- 
phonico no districto de S. Francisco de Pira- 
pora, celebrado entre a Camara Municipal de 
Pirapora e Trajano Saboia Viriato de Medeiros, 
comprehendida a concessão federal para o apro- 
veitamento da cachoeira de Pirapora no Rio São 
Francisco, quarenta contos de réis ; 

c) contracto para o serviço de abastecimen- 
to de agua potável e para serviços domésticos 
no municipio de Pirapora, celebrado com a 
Camara Municipal de Pirapora pelos enge- 
nheiros Otávio Barbosa Carneiro e Asterio Lobo 
Leite Pereira, vinte contos de réis ; 

d) contracto para o abastecimento de usinas 
de beneficiamento de algodão e cereaes e fabri- 
cação de oleos, com a concessão de terrenos 
municipaes celebrado com a Camara Municipal 
de Pirapora e Trajano Saboia Viriatos de Me- 
deiros, trinta contos de réis ; 

e) contracto de arrendámento de palmeiraes 
nas fazendas Prata, São Vicente e Forquilha nô 



m 



I 



— ô — 



Constitui- 
ção da Di- 
rectoria. 



municipio de Pirapora, outorgado por escriptura 
publica de trinta de outubro de mil novecentos 
e dezesete em notas do tabellião Antonio Gabri- 
el Diniz, de Curvello, Estado de Minas, pelo 
coronel Arthur Nascimento ao Dr. Trajano Saboia 
Viriato de Medeiros, trinta contos de réis ; 

f) installação thermo-electrica em exploração 
em Pirapora e serviço telephonico, trinta contos 
de réis ; 

g) material completo para installação hydro 
electrica e distribuição de força e luz em Pirapora, 
inclusive cimento destinado ás obras hydraulicas 
da cachoeira, ferramentas e materiaes diversos, 
cento e quarenta contos de réis ; 

h) dupla installação de cincoenta serras para 
beneficiamento de algodão e accessorios a tres 
prensas de mão, sessenta e cinco contos de réis ; 

i) material completo para construcção dos 
edifícios destinados a usina de algodão, fabrica de 
oleos, residençia da admistração e installação dos 
moinhos de % vento, setenta e tres contos de réis ; 

j) encanamentos, accessorios e bombas des- 
tinados ao serviço de abastecimento agua, vinte 
e dous contos de réis. Essas concessões e con 
tractos, com as construcções e installações já 
executadas e materiaes para esse fim accumu- 
lados, os seus onus e encargos, benefícios e van- 
tagens correlativos ficam transferidos á compa- 
nhia e incorporados ao seu acervo pelos valores 
supra declarados, depois de competentemente 
avaliados por peritos para esse fim nomeados, 
em sendo essa avaliação devidamente approvada 
pela assembléa geral de subscriptores de acções 
convocada para esse effeito. 

Artigo sexto. A companhia será administrada 
por uma directori.a composta de quatro directo- 
res eleitos pela assembléa geral, por maioria de 



— 9 — 



votos e para o prazo de tres annos, podendo 
«lies ser reeleitos ; 

Destes quatro a assembléa designará qual 
deve ser o presidente. 

Artigo sétimo. A directoria deliberará por 
maioria de votos, cabendo ao presidente voto de 
qualidade, no caso de empate e designará as attri- 
buições especiaes a cargo de cada um dos direc- 
tores em particular. 

Artigo oitavo. Os directores se substituirão 
reciprocamente em suas faltas occasionaes sem 
prejuízo do disposto no artigo decimo segundo. 

Paragrapho unico. No caso de impedimen- 
to prolongado por mais de quatro mezes, ou 
qualquer outra circumstancia, como renuncia, 
abandono do cargo ou morte, a vaga verificada 
pela directoria será preenchida interinamente por 
um accionista, a convite dos demais directores, 
ouvido o conselho fiscal, devendo esse novo 
director exercer interinamente o cargo até a rea- 
lização da primeira assembéa geral ordinaria que 
elegerá o director para o resto do prazo de man- 
dato da directoria. 

Artigo nono. O director presidente repre- 
sentará á companhia perante terceiros para todos 
os effeitos jurídicos, em juizo e fóra delle, com 
as reservas estabelecidas no artigo decimo se- 
gundo. 

Artigo decimo. Competem á directoria todos 
os actos de administração da companhia, a pra- 
tica de todas as operações necessárias á plena e 
boa execução dos fins sociaes, inclusive celebrar 
contractos com os poderes públicos, fundar usi- 
nas, depositos, armazéns geraes, crear agencias 
e succursaes, emittir warrants, notas promissó- 
rias, saccar e acceitar letras de cambio, comprar 



Delibera- 
ções da Di- 
rectoria. 



Substitui- 
ção da Di- 
rectoria. 



Attribui- 
ções do Pre- 
sidente. 



Attribui- 
iões da Di- 
rectoria. 



10 — 



Remune- 
ração da Di- 
reeturia. 



Procura- 
ções. accei- 
tes de le- 
tras, titulos 
de respon- 
sabilidade 
etc. 



Caução da 
Directoria. 



Conselho 

Fiscal 



e vender bens moveis e immoveis, transigir, cau- 
cionar, apenhorar ou hypothecar bens sociaes. 

Artigo decimo primeiro. Os directores terão 
a remuneração que lhes for estipulada pela as- 
sembléa geral. 

Artigo decimo segnndo. As procurações, os 
acceites de letras, as notas promissórias, e quaes- 
quer titulos de responsabilidade da companhia 
deverão ter a assignatura do director presidente 
ou no seu impedimento occasional daquelle que 
lhe fizer as vezes e de mais um director. Para 
esse effeito o director presidente poderá delegar 
poderes a outro director. Os sobreditos titulos 
e' documentos, que não estiverem nestas condi- 
ções, não obrigarão á companhia. 

Artigo decimo terceiro Será de cincoenta 
acções a caução de que trata o artigo cento e 
cinco do decreto numero quatrocentos e trinta e 
quatro, de quatro de julho de mil oitocentos e 
noventa e um. 

Artigo decimo quarto. O conselho fiscal 
será composto de tres membros effectivos e tres 
supplentes, eleitos pela assembléa geral ordiná- 
ria de cada anno, terminando seu mandato no 
anno seguinte, depois da assembléa da prestação 
das contas annuaes dos directores, na fórma do 
artigo decimo quinto destes estatutos. 

§ primeiro. Os membros do conselho fiscal 
e supplentes poderão ser pessoas que não sejam 
accionistas. 

§ segundo. Os supplentes substituirão os ef- 
fectivos em seus impedimentos ou no caso de 
vaga, adoptado o critério de ser designado para 
a substituição o que obteve maior numero de 
votos ou sendo este o mesmo* o mais velho em 
idade. 



§ terceiro . As funcções do conselho Tiscal 
serão exercidas gratuitamente. 

.Artigo decimo quinto. A assembléa geral se 
reunirá em sessão ordinaria no mez de março 
de cada anno, para os fins determinados na lei. 

§ unico. O anno social decorre de v primeiro 
de janeiro a trinta e um de dezembro. 

Artigo decimo sexto . a’ assembléa geral só 
poderá validamente deliberar quando representa- 
do no minimo um terço do capital social. 

§ primeiro . Se no dia designado para se 
reunir a assembléa geral ordinaria não compa 
recer a esta numero legal, far-se-ha nova con- 
vocação, podendo então a assembléa consti- 
tuir-se e deliberar com qualquer numero desde 
que este exceda de tres accionistas, excluídos os 
directores e os membros do conselho fiscal, que 
emittiram parecer sobre as contas annuaes da di~ 
rectoria. i 

§ Segundo. Si se tratar de assembléa gera' 
extraordinária para reforma dos estatutos,* au 
gmento de capital ou dissolução da sociedade» 
para que ella possa validamente deliberar, preciso 
é que tendo sido regularmente declarado nos 
annuncios de convocação o objecto da reunião, 
estejam representados tres quartos do capital 
social, procedendo-se na falta deste numero, a 
a segunda e terceira convocação, só depois da 
ultima, podendo a assembléa deliberar com qual- 
quer numero de accionistas presentes. 

§ Terceiro. Para o caso de emissão de de- 
bentures observar-se-ha o disposto na lei. 

§ Quarto. Verificado pelo director presi- 
dente haver numero legal, em vista das assigna- 
turas do livro de presença e do exame das pro- 
curações, serão as reuniões presididas por um 



Assembléa 
gera . 



Anno so- 
c.al . 

Constitui- 
ção da As- 
sembléa ge- 
ral, ordiná- 
ria e extra- 
oídinaria. 



12 — 



accionista designado na occasião, o qual convi- 
dará dous outros para secretários. 

Delibera- Artigo decimo sétimo . As deliberações das 
s^mbléas assembléas geraes se farão sempre por maioria 
geraeü. do capital, dando cada grupo de cinco acções 
direito a um só voto. 

§ Primeiro. Os que tiverem numero de ac-, 
ções inferior a cinco poderão, entretanto, com as 
suas acções completar o numero necessário para 
augmentar o numero de votos de que disponham 
outros accionistas, ou constituir com as destes 
grupos de cinco acções dando direito. a um voto. 

§ Segundo. Os accionistas poderão fazer se 
representar por outros, ainda que estes não te- 
nham o numero necessário para exercer o direito 
de voto e ainda neste caso póde ter applicação o 
disposto no paragrapho precedente. 

Deposii.. Artigo decimo oitavo. Os accionistas cujas 
d f>rtador Sa<) ac Ções forem ao portador só serão admittidos 
a tomar parte na assembléa si houverem deposi- 
tado as suas acções até a vespera do dia da 
reunião, nos cofres da companhia, do que se 
lhes dará recibo. 

ConToca- Artigo decimo nono. A directoria poderá con- 

seVifiels vocar assembléas geraes extraordinárias sempre 
»xtrao.di- que o entender conveniente, também o poderão 
nanas fazer o conselho fiscal e, por intermédio da 
directoria, accionistas, em numero não menor 
de sete, representando pelo menos um quarto 
do capital social, sem necessidade de allegação 
ou justificação de causa 

pra-o V a- . Artigo vigésimo. As assembléas geraes ordi- 
çã«d" V As- narias serão convocadas com a antecedencia de 
sejhiéa «e. j5 dias e as extraordinárias com a de tres dias 
no minimo. 

Distribuição Artigo vigésimo primeiro. Dos lucros liquidos 

yerifirâdos’ verificados annualmente, segundo balanço a que 



13 



se procederá para ser submettido a apreciação da 
assembléa geral, se deduzirão dez por cento para 
constituição de fundo de reserva e, nos tres pri- 
meiros annos, vinte por cento para formação de 
fundo especial de reparações do material e 
propriedades, fundo este que continuará a ser 
provido annualmente com cinco por cento reti- 
rado dos lucros líquidos até que attinja o valor 
do material e das construcções, annualmente 
verificado no balanço. 

, Artigo vigésimo segundo . Do saldo dos lu- Dutnbui- 
cros resultantes dessas deduções se abonará pri- f 0 °. j ° c s r a 0 '' 10 
meiramente ao capital social o juro de seis por gratifica- 
cento, e se retirarão em seguida dez por cento espe_ 
para gratificação da directoria, constituindo di- 
videndo a distribuir o saldo verificado após essas 
deducções. 

§ Primeiro. Essas disposições não consti- 
tuem obstáculos a distribuição de gratificações 
especiaes ao pessoal por deliberação da assenj- 
bléa sob proposta da directoria. 

Artigo vigésimo terceiro. Os juros e dividen- prescri 
dos não reclamados dentro de cinco annos após ro Ç s â e d diÍu 
a sua distribuição no balanço annual prescrevem - iendos - 
a beneficio da companhia, sendo a importância 
respectiva levada afundo de reserva. 

Artigo vigésimo quarto. Os actuaes accio- nesi-na- 
nistas uzando das attribuições que a lei lhe con- 
fere designam para director-presidente o Sr. ctoria e 
Otávio Barbosa Carneiro e para exercerem os Fiscal 6110 
demais cargos de directores, os Srs. José 
Joaquim Fernandes Ramos, Amaro da Sil- 
veira e Asterio , Lobo Leite Pereira ; para 
membros do Conselho Fiscal os Senhores 
Trajano Saboia Viriato de Medeiros, Luciano G. 
de Souza Pinto e Thomaz de Araújo, e para sup- 



14 



Realizaç 
do 'c a p i t 
dos ineoi | 
ra d o i e s 
CompauLi 



plentes do Conselho Fiscal os Srs. Dr. José 
Saboia Viriato de Medeiros, Horacio Barbosa 
Carneiro e Fernandc Lobo Junior». 

:âo E ainda pelos outorgantes e respectivamente 
outorgados me foi dito, perante as mesmas tes 
rta temunhas, que realizam o capital por cada um sub- 
scripto pela forma seguinte: Dr. Otávio Barbosa 
Carneiro, duas mil acções no valor de quatrocentos 
contos de réis ; Dr. Asterio Lobo Leite Pereira, 
setecentas e cincoenta acções na importância de 
cento e cincoenta contos de réis e Dr. Trajano Sa- 
boia Viriato dc Medeiros mil acções equivalentes 
a duzentos contos de réis, todos os tres em com- 
mum com os bens, cousas e direitos descriptos 
no artigo quinto dos estatutos constantes desta 
escriptura. 

O restante do capital é subscripío em di- 
nheiro da forma seguinte: Dr. Otávio Barbosa Car- 
neiro, cento e cincoenta e cinco contos corres- 
pondentes a setecentos e setenta e cinco acções: 
Amaro da Silveira & Comp , cento e dez contos 
correspondentes a quinhentas e cincoenta acções ; 
Dr. Trajano Saboia Viriato de Medeiros, oi- 
tenta contos de réis correspondentes a quatro- 
centas acções ; Dr. Asterio Lobo Leite Pereira, 
oitenta contos de réis correspondentes a qua- 
trocentas acções; L. Q. de Souza Pinto & Comp., 
dez contos de réis correspondentes a cincoenta ac- 
ções ; Horacio Barbosa Carneiro, cinco contos 
de réis correspondentes a vinte e cinco acções ; 
Orion Lobo, quatro co .tos de réis correspon- 
dentes a vinte acções; Dr. José Saboia Viriato 
de Medeiros, dous contos e quatrocentos mil 
réis correspondentes a dez acções , Thomaz de 
Araújo, dous corttos de réis correspondentes a 
dez acções. 



15 — 



E que consistindo em bens, cousas e direi- 
tos, as prestações dos subscriptores Dr. Otávio 
Barbosa Carneiro, Dr. Asterio Lobo Leite Perei- 
ra e Dr. Trajano Saboia Viriato de Medeiros, fica, 
na fórma da lei, adiada a constituição da sociedade 
até que seja apresentada a sua avaliação legal- 
mente approvada pela assembléa geral, que será 
para esse fim convocada, para o qual fim deli- 
bera nomear os senhores Dr. Humberto Saboia 
de Albuquerque, Dr. Ludgero W. Dolabella e 
coronel José Joaquim Fernandes Ramos, que 
deverão verificar, examinar e avaliar esses bens 
cousas e direitos, apresentando seu laudo, que 
deverá ser submettido á apreciação e deliberação 
da assembléa constituída por todos os outor- 
gantes e respectivamente outorgados, subscripto- 
res das acções. 

Por todos finalmente me foi dito perante as 
mesmas testemunhas que acceitam a presente 
escriptura que lhes foi lida, tal como nella se 
contém e declara. De como assim o disseram me 
pediram que lhes lavrasse em minhas notas esta 
escriptura o que fiz por intermédio de meu aju- 
dante Feliciano Castello Branco sendo-lhes lida 
e achada conforme a minuta apresentada, a ac- 
çeitam e assignam com as testemunhas a tudo 
presentes Álvaro Augusto Tostes e Victor Ma- 
noel de Almeida Eu, Eduardo Carneiro de Men- 
donça, tebellião, a subscrevo. — Otávio Barbosa 
Carneiro , — Trajano S. V de Medeiros , — Paulo 
Galvão, — Amaro da Silveira & Comp. — Fernan- 
do Lobo Junior, — Orion Lobo - Horacio B. Car- 
neiro , — Thomaz de Araújo, — José Saboia Vi- 
riato de Medeiros, — L G. de Souza Pinto & 
Comp — Álvaro Augusto Tostes, - Victor Ma- 
noel de Almeida. Trasladada hoje em segunda 
via. Eu, Eduardo Carneiro de Mendonça, tabel- 



Designa- 
âo des pe- 
ritos para 
avaliação 
d os bens, 
cousas e di- 
reitos da 
Companhia. 






— lã — 

lião, subscrevo e assigno em publico e razo. Em 
testemunho da verdade* Eduardo Carneiro de 
Mendonça. 



— «o»- 



Escriptura de Constituição Definitiva 
da Companhia 

Cartorio Roquette. Eduardo Carneiro de 
Mendonça, tabellião do 10° officio, rua do Rosa- 
rio n. 116. Telephone n. 2916. Rio de Janeiro. 
Segundo traslado. Livro n. cento e quatro. Fo- 
lhas cincoenta e dois verso. Escriptura de consti- 
tuição definitiva da Companhia Industria e Vi- 
ação de Pir aporá. 

Saibam quantos esta virem que no anno do 
Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de 
mil novecentos e dezenove, aos dez dias do mez 
de abril, nesta cidade do Rio de Janeiro, em meu 
cartorio e perante mim tabellião, em virtude de 
me haver sido esta distribuída hoje pelo bilhete 
que fica archivado, compareceram partes justas e 
contractadas, como outorgantes e respectivamen- 
te outorgados os Srs. Dr. Otávio Barbosa Car- 
neiro, maior, casado, engenheiro, Dr. Trajano 
Saboia Viriato de Medeiros, maior, casado, en- 
genheiro, ambos residentes nesta cidade, Dr. 
Asterio Lobo Leite Pereira, maior, casado, enge- 
nheiro, residente em Pirapora, Estado de Minas 
Geraes, representado pelo Dr. José Saboia 
Viriato de. Medeiros, maior, casado, residente 
nesta cidade, Amaro da Silveira & Comp. e 
L. G. de Souza Pinto & Comp. , sociedades 
commerciaes com séde nesta cidade, represen- 
tada, aquella pelo socio Dr. Amaro da Silveira, 
maior, casado, negociante, e esta pelo socio Lu- 
ciano Godofredo de Souza Pinto, maior, casado 






A cta 
primeira 
sembl a y 
ral. 



18 *- 

e negociante, Horacio Barbosa Carneiro, maior, 
solteiro, funccionario publico, residente nesta ci- 
dade, Orion Lobo, maior, solteiro, residente na 
cidade de Pirapóra, e de passagem nesta cidade, 
Dr. José Saboia Viriato de Medeiros, maior, 
casado, advogado, Thomaz de Araújo, maior, ca- 
sado, guarda livros, Fernando Lobojunior, maior, 
solteiro, funccionario publico, estes tres últimos 
residentes nesta cidade e todos os supra mencio- 
nados brasileiros, pessoas conhecidas de mim 
tabellião e das testemunhas adiante nomeadas e 
assignadas e estas também minhas conhecidas, 
do que dou fé. E na presença das testemunhas 
dos outorgantes e respectivamente outorgados 
me foi dito, perante uns e outros e das testemu- 
nhas que, havendo designado na escriptura pu- 
blica de trinta e um do mez de março ultimo, la- 
vrada nestas notas ás folhas trinta e seis deste 
mesmo livro, os senhores Humberto Saboia de 
Albuquerque, Ludgero Wandick Dolabella e co- 
ronel josé Joaquim Fernandes Ramos para exa- 
minarem, descreverem e avaliarem os bens, cousas 
e direitos com que os outorgantes e outorgados 
Otávio Barbosa Carneiro. Trajano Saboia Vi- 
riato de Medeiros e Asterio Lobo Leite Pereira 
se propõem realizar o capital das tres mil sete- 
centas e cincoenta acções que subscreveram na 
importância de setecentos e cincoenta contos de 
réis, apresentaram OS' mesmos peritos o seu laudo, 
que foi approvado pela assembléa geral de todos 
os subscriptores de acções, realizada em tres do 
corrente mez, cuja acta é do teor seguinte : 
f* ( A f ta da assembléa geral dos subscriptores 
e- de acções da Companhia Industria e Viação de 
Pirapóra. Aos tres dias do mez de abril de mil 
novecentos e dezenove, presentes na séde da 
Companhia Industria e Viação de Pirapóra os 



19 



f 



Srs. Otávio Barbosa Carneiro, Trajano Sa- 
boia .Viriato de Medeiros, Asterio Lobo Leite Pe- 
reira, representado pelo Dr. José Saboia Vi- 
riato de Medeiros, Amaro da Silveira & Comp. 
e L. G. de Souza Pinto & Comp., sociedades 
commerciaes desta praça, representadas, aquella 
pelosocioDr. Amaro da Silveira e esta pelo 
soeio Luciano Godofredo de Souza Pinto, Hora 
cio Barbosa Carneiro, Orion Lobo, José Saboia 
Viriato de Medeiros, Thomaz de Araújo e Fer- 
nando Lobo Junior, representando a totalidade 
do capital social, foi acclamado presidente o se- 
nhor Dr. Amaro da Silveira, que chamou para 
secretários os senhores Thomaz de Araújo e Lu- 
ciano Godofredo de Souza Pinto. 

Constituída a mesa, o presidente da assem- 
blea declarou que o fim da presente reunião era, 
de conformidade com o annuncio, da convo- 
cação da assembléa, publicado no Diário Official 
de dous do corrente mez, tomarem os subscripto- 
res de acções conhecimento do laudo de ava- 
liação dos bens, cousas e direitos com que os. 

Srs. OtaVio H&rbosa Carneiro, Trajano Sa- 
; boia Viriato de Medeiros e Asterio Lobo Leite 
Pereira propunham realizar o capital que sub- 
screveram na importância de setecentos e cincoen- 
ta contos de réis, segundo consta da escriptura 
publica de trinta e um de março ultimo, em no- 
tas do tabellião Eduardo Carneiro de Mendonça 
(cartorio Roquette) desta cidade, a folhas trinta e 
seis do livro presente e, bem assim, deliberarem 
sobre o constituição definitiva da companhia. 

Presentes á reuuião os Drs. Humberto Laudo da 
I Saboia de Albuquerque, Ludgero Wandick Do- 
[ labella, José Joaquim Fernandes Ramos, desi- cousas e di- 
gnados na supradita escriptura, para aquelle en- ^Tcntíam 
caigo, trouxeram á mesa o laudo seguinte por £ a r n a h a a Co “‘ 



■ 



20 



seus iiicoi- 
poradores. 



elles devidamente assignado e as firmas reconhe- 
cidas e a cuja leitura em voz alta procedeu o se- 
gundo secretario a pedido do senhor presidente. 
O laudo é do teor seguinte: 

Companhia Industria e Viação de Pirapora. 
Laudo de avaliação. Os abaixos assignados peri- 
tos designados pelos senhores subscriptores de 
acções da Companhia Industria e Viação de Pi- 
rapora na escriptura publica de trinta e um de 
março deste anno, para avaliarem os bens, cousas 
e direitos com que para a formação do capital da 
companhia entraram os subscriptores Otávio 
Barbosa Carneiro, Asterio Lobo Leite Pereira e 
TrajanoS. V. de Medeiros, passam a descrever 
esses bens declarando em seguida o valor que 
em boa e sã consciência lhes attribuem: 

d) — Contracto com o Governo Federal pa- 
ra a navegação do Rio S. Francisco e seus aflu- 
entes de Pirapora, no Estado de Minas Geraes a 
Joazeiro, no Estado da Bahia. Para execução 
desse contracto com o Governo Federal contri- 
buiu com as seguintes contribuições entregues 
ao contractante em Pirapora a saber: um vapor 
de passageiros e carga de cento e vinte tonela- 
das, requesitado á Amazon River Co.; um rebo- 
cador a vapor adquirido ao London and Brasili- 
an Bank, cinco lanchas a vapor que pertenceram 
aos vapores allemães sequestrados ; seis saveiros 
de madeira adquiridos a Teixeira & Nunes; duas 
lanchas a gazolina, uma lancha a vapor e dous 
saveiros de chapa de aço requisitados á Camara 
Municipal de Paracatú. Ao vapor de passagei- 
ros e carga foi attribuido o valor de duzentos 
contos de réis; o rebocador importou em cento e 
quarenta e dous contos e quinhentos mil réis, 
as cinco vedetas são avaliadas em cento e cirtco^ 
enta contos de réis; os seis saveiros de madeira 



21 



importaram em duzentos e cincoenta e oito con- 
tos de réis; as duas lanchas a gazolina são ava- 
liadas em vinte e seis contos de réis; a lancha a 
vapor em tres contos e quinhentos mil réis e os 
dous saveiros de chapa de aço em vinte contos 
de réis. Seja, pois, o valor do material fluctu- 
ante, fornecido pelo Governo federal, oitocentos 
' contos de réis. Contribuiu ainda o Governo Fe- 
deral para a installação do serviço, inclusive uma 
officina para a reparação do matenal e um esta- 
leiro, com à quantia de quinhentos contos de 
réis. Por essa fórma a contribuição total do Go- 
verno foi de mil e tresentos contos de réis. O 
contractante, apparelhado com os elementos for- 
necidos pelo Governo, fará a exploração do ser- 
viço de navegação subordinada á tarifa já estabe- 
lecida e contribuirá para o Governo Federal com 
cinco por cento da renda bruta nos dous primei- 
ros annos e com sete por cento do terceiro anno 
em deante. O contracto pagou no Thesouro 
Nacional um sello correspondente ao valor de 
quinhentos contos de réis. Pela escriptura preli- 
minar da constituição da Companhia Industria e 
Viação de Pirapora foi attribuido ao contracto da 
navegação o valor de tresentos contos de réis . 
Ora, a contribuição do Governo para esse ser- 
viço, estando avaliada em mil e setecentos contos 
de réis e o valor official do contracto tendo sido 
de quinhentos contos de réis, julgamos que os 
incorporadores da Companhia poderiam attribuir 
a este contracto o seu valor official de quinhentos 
contos de réis. Concordamos, porém, em con- 
servar a avaliação proposta, isto é, valor do con- 
tracto federal para a navegação entre Pirapora e 
Joazeiro tresentos contos de réis; 

b) — contracto muuicipal de producção e 
distribuição de força e luz e de telephone em Pi- 



22 



rapora. Concordamos com o valor que lhe foi 
attribuido que é o justo valor da respectiva es- 
criptura, julgando no entanto que realizada a in- 
stallação hydraulica esse contracto ficará grande 
mente valorisado. Admittimos por conseguinte o 
valor de 40 : 000$000 : 

c) contracto municipal para abastecimento 

d’agua em Pirapora. O valor que lhe foi attri- 
buido é exactamente o valor dado na respecti- 
va escriptura publica com o qual estamos de ac- 
côrdo, isto é, 20:000$000; 

d) — contracto municipal para usinas de be- 
neficiamento do algodão, fabricação de oleos, 
etc., em Pirapora. O valor attribuido é o mes- 
mo official da escriptura com o qual estamos de 
accordo, isto é, 30:000$000; 

é) — contracto de arrendamento de palmei- 
raes nas fazendas da Prata, S. Vicente Forquilha, 
município, de Pirapora Esses arrendamentos pe- 
lo prazo de 20 annos comprehendem uma vasta 
propriedade territorial ao longo da margem di- 
reita do R'o S. Francisco, principiando alguns 
kilometros abaixo da porto de Pirapora e esten- 
dendo-se até a bacia dos rios das velhas. 

Os palmeiraes ahi exisientes são de còco 
chamado babassü, indayá ou de palma, o qual 
foruece um oleo cujo valor é bem conhecido. 

Outras óieoginosas como o barú existem 
nessa propriedade. Além disso podem os arren- 
datários aproveital-a para ahi fazerem a cultura 
do algodão, que já iniciaram, e outras, bem as- 
sim pastagens e aproveitamento das madeiras 
ahi existentes para as suas installaçães em Pira- 
pora. Foi conservado o valor da escriptura com 
o qual estamos de accordo, isto é, 30:000$000; 

f) — installação thermo-elecírica e rêde tçle- 
phonica de Pirapora. Consta essa installação de 



— 23 



um grupo de caldeira a vapor tubular, motor a 
vapor horizontal e gyrador electrico de corrente 
alternativa de 15 kw.; diversos transformadores, 
uns monophasicos outros triphasicos, rêde de 
distribuição de illuminação publica e illuminação 
particular em Pirapora; rêde da estação telepho- 
nica em Pirapora comprehendendo o prédio da 
estação telephonica. Todo o material está em 
regular estado de conservação; no entanto, a ins- 
tallação funcciona com irregularidade devido an- 
tes á excessiva sobre carga com que está traba- 
lhando e os defeitos de distribuição do que por 
motivo da qualidade ou da conservação do ma- 
terial utilisado. Material equivalente ao que está 
installado em Pirapora importaria hoje segura 
mente em mais do duplo valor que lhe foi att ri- 
buido. Esse valor è o que coií^ta da escripbua 
de compra ao ex- concessionário da instalíação 
em Pirapora, senhor Nicolino Moreira, e ccm 
esse valor estamos de accordo, isto é, trinta con- 
tos de réis (30:000^000); 

g) — material completo para instalíação hy- 
dro-electrica para distribuição de força e luz e 
para rêde telephonica. Em suas linhas geraes 
esse material consta do segu nte: Turbina hydrau- 
lica de Morgon Smith, dupla de lfi”. para !80 
H- P. acompanhada de regulador Lombard di- 
rectamente ligada a um alternador de i00 K. W. 
2. 300 wolts e excitador de 7 1/2 K. W. movido 
a correia. Quadros de distribuição com todos 
os accessorios, baterias de pára raios, interrupto- 
res automáticos, material de illuminação da usi- 
na etc. Diversos transformadores triphasicos^ 
isoladares para alta e baixa voltagem, instalíação 
completa para 120 lampadas incandescentes de 
illuminação publica, comprehendendo braços de 
lampadas com respectivas resistências para mon- 



— 24 — 



tagem em séries, reílectores bi-connexos, cruzetas, 
pinos, ferragens para postes e todos os accesso- 
rios exigidos para a installação da distri- 
buição de energia electrica, fios para as rêdes de 
distribuição de alta e baixa tensão; postes e cru- 
zetas de madeira de lei; tubulações de ferro para 
alimentação da turbina; tubos de descarga de ca- 
nal aductor; comporta para a linha de tubos; gra- 
des de ferro para protecção da comporta; cimçnto 
para as obras hydraulicas; cal, tijolos, telhas, ma- 
deiras e outros materiaes para os edifícios a cons- 
truir; fios isoladores e apparelhos para installação 
telephonica; guindastes Derrick, diversas talhas, 
apparelhos e ferramentas diversas para execução 
■dos serviços; stock de lampadas incandescentes e 
de lampadas para a illuminação publica. Todo 
esse material que permitte executar uma installação 
hydro-electrica completa, comprehendendo o 
serviço de illuminação publica e permittindo a 
distribuição de luz particular, força para as indus- 
trias e installação da rêde telephonica, tem em 
qualquer momento inestimável valor quando não 
está na dependencia de transporte desde as fa- 
bricas até o local com a passagem pela Alfânde- 
ga e sujeito aos riscos de viagem . Neste momen- 
to em que a guerra européa apenas de hostilida- 
des suspensas, embora com o tratado dç paz as- 
segurado previamente, tornou prohibitoria a 
acquisição e transporte maritimo de material idên- 
tico, essa installação hydro-electrica com todos 
os seus accessorios cresce extraordinariamente 
de valor. Estamos, pois, de pleno accôrdo em 
avaliai a em 140 : 000$000 icento e quarenta con- 
tos de réis). 

h ) — Dupla installação de cincoenta serras 
para beneficiamento de algodão. E' uma instal- 
lação nova dos fabricantes «Lummus», adquirida 



— 25 — • 



antes qne os materiaes dessa classe attingissenr 
os preços por que estão sendo contractados pre- 
sentemente. Comprehendendo todas as machi- 
nas para descaroçar e prensar o algodão por meio 
das machinas mais modernas e de fabricantes de 
reputação mundial. Dispõe ainda a installação 
de tres prensas a mão para enfardamento do al- 
godão em caroço no local da exportação para a 
usina . Concordamos com o preço de 65:000$000 
(sessenta e cinco contos de réis); 

i) — materiaes completos para montagem da 
usina de algodão e annexos.. Comprehende a 
usina de algodão propriamente os # seguintes 
edifícios: 

a) — installação de descaroçadores e en- 
fardamento ; 

b) — deposito de algodão em caroço ; 

c) — deposito de sementes ; 

d) — fabrica de oleo e depbsito de 

cascas . 

Para servir a esses diversos edificios dispos- 
tos em um mesmo alinhamento foi projectada 
uma plataforma de alvenaria de duzentos metros 
(200, Om.) de extenção; para ligar a usina com a 
estrada de ferro — um desvio ao longo da plata- 
forma e servindo as dependencias. Independen- 
te das construcções para a usina propriamente 
será edificado ainda o prédio para escriptorio e 
residência da administração. Para o abasteci- 
mento da agua foram previstos dous moinhos de 
vento com os respectivos encanamentos e caixas 
de agua. Todo o material, comprehendendo pe- 
dra para alvenaria, tijolo, areia, cal, madeiramen. 
to completo para cobertura, barrotamentos, soa- 
lhos, ètc., as esquadrias com os respectivos vi- 
dros e ferragens tintas preparadas, pregos e pa- 



— 2ó — 



rafusos, madeiras para andaimes, etc., etc., para 
esses diversos edifícios, já se acha no respectivo 
locai. Ainda mais, todas as construcções foram 
iniciadas e estão adeantadas, sendo que o edifício 
de dous pavimentos para receber os descaroça- 
dores e prensas já está concluído e recebendo as 
respectivas machinas. A plataforma de alvenaria 
na extenção de duzentos metros i 200 ,om) está 
concluída e a terraplenagem geral está feita. Os 
dous moinhos de vento estão no local, sendo 
que um delles já está montado sobre um poço 
de nove metros de profundidade, aberto na rocha, 
fornecendo abundatlte agua potável, e revestido 
de alvenaria. Uma # grande caixa de agua de ferro 
com os respectivos encanamentos também está 
no local. As obras executadas representam de 
facto o valor superior a avaliação que foi apresen- 
tada, como, porém, esta só se refere aos mate- 
riaes destinados a construcções e seus annexos, 
concordamos çom o valor de 73:000$000 (setenta 
e tres contos de réis); 

j) encanamentos, accessorios e bomba para 
abastecimento de agua. Para o serviço de abaste- 
cimento de agua já existe no local uma bomba 
centrifuga de 9 ” a vapor Rustou Paveter & Comp., 
com todos os seus accessorios, encanamento, 
curvas, valvulas, etc., já foram adquiridos e des- 
pachados, conforme factura e conhecimento de 
despacho que examinámos, encanamentos de di- 
versos diâmetros com curvas, registros e outros 
accessorios. O valor attribuido a esses materiaes, 
com que estamos de accôrdo, é de 22 000$ (vinte 
e dous contos de réis). 

Em resumo: valor total dos contractos e 
concessões, 420 000$ (quatrocentos e vinte contos 
de réis); valor total dos bens em deposito, 
330:000$ (trezentos e trinta contos de réis) ; valor 



— 27 



total dos bens, cousas e direitos, 750:000$ (sete- 
centos e cincoenta contos de réis). Nestes termos, 
são os peritos de parecer que os bens, cousas e 
direitos com que os subscriptores senhores Otá- 
vio Barbosa Carneiro, Asterio Lobo Leite Perei- 
ra e Trajano S. V. de Medeiros se propõem a 
realizar o valor das tres mil setecentas e cincoen- 
ta acções que subscrevem a saber : duas mil 
(2.000) o primeiro, setecentas e cincoenta (750) o 
segundo e mil (í .000) o terceiro, devem ser in- 
corporadas ao capital social pelo valor de sete- 
centos e cincoenta contos de réis (750:000) e 
tcem a honra de submetter o presente laudo á 
criteriosa apreciação dos senhores accioniStas da 
Companhia Industria e Viação Pirapóra no des- 
empenho do encargo que houveram por bem 

confiar-lhes. — José Joaquim Fernandes Ramos 

Humberto Saboia de Albuquerque . — Ludgero 
Wandick Dolabella . • 

Reconheço as firmas de José Joaquim Fer- 
nandes Ramos, Humberto Saboia de Albuquer- 
que e Ludgero Wandick Dolabella. Rio, tres de 
abril de 1919.— Em testemunho, signal publico 
de verdade — Eduardo Carneiro de Mendonça. 
Impresso es f ava um sinete do tabellião acima re- 
ferido. 

Terminada a leitura, declarou o senhor pre- 
sidente que o laudo estava em discussão e não 
havendo ninguém pedido a palavra, passou-se á 
votação, sendo unanimente aprovado com abs- 
tenção declarada dos senhores Octavio Barbosa 
Carneiro, Trajano Saboia Víriato de Medeiros e 
Asterio Lobo Leite Pereira. Annunciado o resul- 
tado da votação, o senhor presidente declarou 
légalmente incorporados ao capital da compa- 
nhia os bens, cousas e direitos com que realiza- 
ram os quinhões, que subscreveram os tres men- 



28 — 



cionados socios, e assim constituída definitiva- 
mente a companhia, convidando todos os subs- 
criptores a assignar a escriptura que, nos termos 
da lei, deve authenticar a presente deliberação. 
E nada mais havendo que tratar, declarou o 
senhor presidente encerrada a reunião de que 
eu, Thomaz de Araújo, primeiro secretario, fiz a 
presente acta que assigno com os demais. — 
Amaro da Silveira, presidente. — Thomaz de Ara- 
újo, primeiro secretario . — L. G . de Souza Pinto, 
segundo secretario. — Otávio Barbosa Carneiro. 
— Trajano Saboia Viriato de Medeiros . — José 
Saboia Viriato de Medeiros, por si o pelo Dr. 
Asterio Lobo Leite Pereira. — Horacio Barboza 
Carneiro. — Orion Lobo. _ Fernando Lobo Junior. 

Disseram em seguida na presença dos de 
mais e das mesmas testemunhas os senhores 
Otávio Barboza Carneiro, Trajano Saboia Viria- 
to de Medeiros e Asterio Lobo Leite Pereira, por 
seu bastante procurador Dr. José Saboia Viriato 
de .Medeiros, que em vista da approvação do 
laudo e consequente approvação da sua propos- 
ta para realizarem com os bens, cousas e direitos 
nelle descriptos e avaliados o capital que respecti- 
vamente subscreveram, cedem e transferem á 
Companhia Industria e Viação de Pirapóra os 
referidos bens, cousas e direitos, ficando ella 
desde já imittida na posse, dominio, jus e acção 
sobre esses bens, cousas e direitos por bem desta 
Escriptura e da clausula constituti , assumindo 
egualmente a dita companhia os onus e respon- 
sabilidades constantes dos contractos transferi- 
dos, recebendo por isto o primeiro delles a quan- 
tia de quatrocentos contos de réis, o segundo a 
de duzentos contos de réis e o terceiro a de cento 
•e cincoenta contos de réis, em acções da mesma 



— 29 — 



companhia, do valor de duzentos mil réis cada 
uma e pelo valor nominal. 

E pelos outros outorgantes respectivamente 
outorgados foi dito no mesmo acto e perante as 
mesmas testemunhas que acceitavam a presente 
sessão e transferencia pelo valor declarado no 
.laudo retro transcripto com as responsabilidades 
e onus correspondentes aos contractos transfe- 
ridos. 

E ainda na presença das mesmas testemu- 
nhas disseram todos os ortorgantes e respectiva- 
mento outorgados que achando-se preenchidas 
todas as formalidades legaes, nomeados os. admi- 
nistradores, subscripto o capital social e deposi- 
lada no Banco do Brasil a decima parte do capi- 
tal realisado em dinheiro dão como definitiva- 
mente constituída a Companhia Industria e Via- 
ção de Pirapora. 

Foi-me entregue o documento do teor se- 
guinte: Banco do Brasil. — Rio de Janeiro 8 de 
abril de 1919 . Réis, quarenta e cinco contos du- 
zentôs vinte e cinco mil réis. Recebemos do 
senhor Otávio Barboza Carneiro, incorporador 
,da Companhia Industria e Viação Pirapora a 
quantia de quarenta e cinco contos e duzentos e 
vinte e cinco mil réis, correspondente a dez por 
cento s j, 450:000$, parte e a dinheiro do capital 
' com que essa companhia se constitue ; 225$ n / 
commissão de meio por cento (1/2 7 0 \ sobre a 
referida operaçãq. Pelo Banco do Brasil, Berquó, 
thesoureiro unico. (Carimbos estampados do 
mesmo banco) modelo n. 12 — 2.877. 

' Recebedoria do Districto Federal — sello por 
verba. Exercido de 1919. Réis, um conto tre- 
< zentos e vinte mil réis (1:320$). No livro de re- 
ceita fica debitado o thesoureiro pela quantia de 
1:320$ recebida de Otávio Barboza Carneiro e 



— 30 — 



outros, sello sobre o capital de mil duzentos 
contos de rêis, (réis i.2C0$000) com que vão 
constituir a sociedade anonyma Companhia In- 
dustria e Viação Pirapora, conforme averba n. 
21 . Recebedoria do Districto Federal, 10 de abril 
de 1919. Pelo thesoureiro, A. Pinto. O escriptu- 
rario Genaro 

De como assim o disseram me pediram que 
lhes lavrasse em minhas notas a presente escri- 
ptura, o que fiz por intermédio do meu ajudante 
Victor Manuel Almeida, e sendo-lhes lida e acha- 
da conforme a acceitaram e assignam com as 
testemunhas Feliciano Castello Branco e Álvaro 
Augusto Tostes a tudo presentes. Eu Eduardo 
Carneiro de Mendonça, tabellião, a subscrevo.— 
Otávio Barbo za Carneiro . — Trajano S. V. de 
Medeiros . — Amaro da Silveira & Comp . — Hora- 
cio Barboza Carneiro. — L. G. de Souza Pinto & 
Comp . — Orion Lobo . — Fernando L obo Junior . — 
José Saboia Viriato de Medeiros. — Thomaz de 
Araújo. — Feliciano Castello Branco. — Álvaro 
Augusto Tostes. Trasladada hoje em segunda 
via. Eu, Eduardo Carneiro de Mendonça, tabel- 
lião, subscrevo e assigno em publico e raze. Em 
testemunho da verdade.- Eduardo Carneiro de 
Mendonça . 



— «o» — 



Directoria da Companhia Industria 
e Viação de Pirapora 

>s Presidente : Otávio Barboza Carneiro, en- 
genheiro, rua Pereira da Silva n 100, Laranjei- 
ras, Rio de Janeiro, (Presentemente rua Marquéz 
de S- Vicente 300. 

Director (technico) : Asterio Lobo Leite Pe- 
reira, engenheiro, Pirapora, Estado de Minas 
Geraes . 

Director (de navegação) : José Joaquim Fer- 
nandes Ramos, negociante, Pirapora, Minas 
Geraes. 



Registro na Junta Commercial 
Junta Commercial da Capital Federal 

Certifico que, por despacho da Junta Com- 
mercial de 8 de maio de 1919 archivaram-se 
nesta repartição, sob o n. 5. 081, os seguintes 
documentos referentes á Companhia Industria e 
Viação de Pirapóra, a saber : 

Escriptura preliminar de sua constituição, de 
31 de março do corrente anno, onde constam os 
estatutos que a devem reger e a lista nominativa 
dos subscriptores do capital ; escriptura de cons- 
tituição definitiva, de 10 de abril ultimo, com a 
transcripção da acta da assembléa geral que 
approvou o laudo de avaliação dos bens, cousas 
e direitos, que fazem parte do acervo, o mesmo 
laudo, o certificado do deposito da decima parte 
do capital em dinheiro, feito no Banco do Brasil 
e o pagamento do sello respectivo feito na Rece- 
bedoria do Districto Federal . Eu, João Hygino 
de Araújo, i° official da secretaria desta Junta, 
passei a presente certidão. 

Rio de Janeiro, io de maio de 1919.— Isido- 
ro Campos, director (sobre estampilhas no valor 
total de 1 [$000). Estava o carimbo da Junta Com- 
mercial . 



Impresso em avulto em Agosto de 1920 

RIO DE JANEIRO